sábado, novembro 29, 2003

A inveja do penis (ou as mulheres que so' vestem calcas que se curem...)

Este blog e' para mim o mais deliciosamente feminino que conheco. Consegue reunir uma estetica e sensibilidades marcadamente uterinas, sedutoras, sem ser excessivamente cor-de-rosa ou militante. Mas quanto a' inveja do penis, lamento mas o Dr. Freud nao estava enganado, e vem a' superficie quando se fala do amor, conforme mostra este texto, que comecando mal, apoiado numa mistificacao que subsiste num certo mundo feminino e que decerto e' apenas resultado de um inconsciente colectivo ainda presente, fundado numa auto-estima precaria, mas que logo que a autora principia a pensar pela sua propria cabeca, coisa que acontece de imediato no inicio do segundo paragrafo do referido texto se torna perspicaz e substancial, progressivamente. Ou seja, a 'inveja' primordial encontra-se no texto como marca educacional mas esbate-se (embora fizesse melhor justica ao nome do blog se os dois ultimos paragrafos fossem escritos sob a perspectiva do 'Eles', embora a parte nao comprometa o todo). Enquanto que no mundo feminino em geral, permanece pontualmente com um ou outro assomo de consolidacao mais ferrea que infelizmente se nota.

Apelidar a mais complexa, porque importante, bonita, sexual e altamente significativa relacao humana de 'facil' que foi o que a autora disse primariamente do amor, e' menospreza-lo a' viva forca. Banaliza-lo.
O homem ou a mulher nao tem que apenas aceitar ou tolerar o seu amado/a. Porque isso sim gera apatia e desamor. Tolera-se e aceita-se o padeiro, que nos e' estranho, ou ate' mesmo, no limite, um amigo, que sendo importante pode nao o ser ao ponto de utilizarmos a nossa energia para evidenciar nele o bem ou o mal.

As pessoas por definicao nao tem que se sentir comodas e confortaveis. Suprema necessidade e' saber que apesar do reconhecimento mutuo de falhas e necessidades o amor, o 'nosso amor', sera' sempre um porto seguro, mas que nao invalida o confronto e a livre discussao do nos, perante o mundo. So' assim estar com o outro e' maravilhoso, na medida em que nao e' um espelho de mim mas tambem nao e' um espelho de tudo o resto. Nao vejo o amor como a aceitacao incondicional da pessoa amada, porque esta e' a primeira preposicao para o fracasso, ou pior ainda, para uma relacao baseada na mentira. Criticar quem amamos, com a mesma paixao com que elogiamos, contem uma sensibilidade que nao se esgota no eu mas que se prolonga na pessoa amada. Acima de tudo, as praticas e atitudes de quem amamos nao nos podem ser indifererentes uma vez que o amor e' intimidade.
O amor nao e' compaixao, antes, deve ser vivido com paixao, demonstrada em todos os aspectos.

Nao deixem de visitar o Sem Penis, nem Inveja.

Lisboa

Ocorreu-me escrever sobre Lisboa depois de ter lido o excelente artigo que Miguel Sousa Tavares escreveu ontem no Publico. Partindo do caso concreto das torres que Siza Vieira pretende construir em Alcantara, Miguel Sousa Tavares realçou aquilo que Lisboa tem de melhor, tendo eu chegado á conclusão que a maioria das pessoas não se apercebe do previlegio que tem em morar em Lisboa. Quem me conhece sabe que adoro a cidade de Lisboa, esta cidade tem uma luz e beleza inigualaveis, sendo sem duvida uma das mais bonitas capitais europeias. Amo a cidade de Lisboa na mesma medida com que desprezo aqueles que, aqui vivendo, apenas sabem realçar os aspectos negativos que a cidade tem, amo na mesma medida com que desprezo aqueles que, aqui vivendo não aproveitam aquilo que a cidade lhes ofereçe. É para esses que vou escrever um pequeno roteiro para se aperceberem de uma vez por todas que Lisboa não é só transito, confusão e stress. Como diz o poeta "a cidade é tão bonita quando estamos de visita...".
Aqui vai um roteiro para um dia bem passado (se depois de cumprido este roteiro continuarem a não ver em Lisboa qualidades então sugiro que se mudem para essas belas localidades de Odivelas, Ranholas e afins..)
O dia começa com um café na esplanada do miradouro de Sta.Catarina (vulgo Adamastor), para chegar lá sugiro o electrico 28 (sim o carro fica em casa) desde a Graça até ao Chiado.
De seguida sugiro que façam uma viagem no elevador da Bica, até á zona do Cais Sodré. Durante a viagem deixem-se contagiar pelo espirito castiço deste bairro.
Uma vez no Cais Sodré entrem no electrico 15 que vai até Belem, o almoço será no bar-terraço do Centro Cultural de Belem onde poderão disfrutar de uma magnifica vista sobre o rio tejo.
Depois de almoço percam-se nas inumeras exposições que este local tem, assim como recomendo vivamente a visita aos jardins.
Para jantar sugiro o restaurante Bica do Sapato em Sta.Apolonia.
A noite deverá começar no Bairro Alto, que eu saiba o unico espaço de diversão nocturna de Portugal que consegue reunir teatros, igrejas, cafes seculares carregados de historia, livrarias, museus e bares para todos os gostos desde jazz passando pelo rock ate ao fado.
A noite termina inevitavelmente na discoteca Lux. Nesse espaço deixem-se contagiar pela musica...e mulheres bonitas.

PEC, nao o da Manuela, o da Europa.

Tomei de novo consciencia ontem ao ouvir Cavaco Silva que a Europa dos quinze se no campo politico tinha e tem pouco peso internacional, a nivel economico (pudera...) era um parceiro que ombreava de igual para igual com outros grandes mercados mundiais. Esta situacao mantem-se mas a legitimidade esta' longe de ser igual, o eterno eixo franco-alemao mais preocupado com os interesses nacionalistas proprios fragiliza a nivel interno a exigencia da discussao economica. Ja' nao ha' bons exemplos a seguir.

Em paralelo o actual deputado do parlamento europeu Gil Robles que ja foi presidente do mesmo, segundo noticia do Publico de ontem, sossega os 'euro-cepticos': 'nos proximos 600 anos as entidades nacionais nao correm perigo nenhum'.
Ao corrente de dados tao concretos, Jorge Miranda e Pacheco Pereira ja' fizeram saber que estao muito mais descansados...

Perante os sinais que a bela europa envia o Federalismo e' um chao que nao se pisa senao com muita cautela.

"Equipa maravilha" da blogosfera

Tomei conhecimento deste blog atraves de um post no Aviz.

sexta-feira, novembro 28, 2003

Esquerda, Direita...

Ainda esta semana assisti a um debate na minha faculdade extremamente interessante para as pessoas que dizem já não haver fronteiras entre a esquerda e a direita. Dizia a Direita: "Contivemos despesa, demos lucro", respondia a esquerda: "Mas uma associação de estudantes, que tem interesse público, não serve para ter lucro, serve para apoiar quem precisa... então e a acção social?", ao que responde a direita "Vocês querem é desbaratar dinheiro. Nós reduzimos a despesa e demos lucro", ao que responde a esquerda "Sim, e a acção social?", e atira a direita "E o lucro?"... e podem continuar nisto durante horas...
P.S: A Direita é que dá lucro? Quando a esquerda saiu de lá o défice era de 4,2%, agora vai nos 5% com os custos sociais que se vê...

Zero em comportamento

A Zero Em Comportamento, organização que utilizava a sala do Cine-estúdio 222 durante a semena para a passagem de filmes do circuito independente, ou que pelo menos teriam alguma dificuldade em serem vistas noutras salas, anunciou que ia parar... sim, infelizmente é verdade, por causa quer das más condições da sala quer da falta de apoios da Camara ou do ICAM, esta organização decidiu desistir de continuar a lutar. Acho que posso falar em nome de todos quando digo que lamento.

O inicio de um dia.

O que os preocupa e' a necessidade basica de se manterem quentes. A estacao suburbana naquela hora madrugadora e' um lugar inospito, escurecida pelo dia que tarda em raiar, ponto de passagem de largas dezenas de pessoas que respiram uma atmosfera melancolica, uniforme. Aquele que no meio do enorme grupo ri incontrolavel, mas envergonhadamente, e' um estrangeiro na manha suburbana. Hilariante o estado hipnotico, quase bovino, tal como os herbiveros na savana hirtos e nervosos prontos a fugir de algum predador, dos seus companheiros de infortunio.
O silencio e' sepulcral, os automatos olham (?) os carris paralelos, unico vestigio de harmonia onde se podem deter. A visao global da pequena multidao tornava-se forcosamente hilariante, para que nao fosse angustiante, dava ideia que mesmo que o comboio nunca chegasse as pessoas ali permaneceriam imoveis, grupalmente defendidas de desgracas diurnas maiores. O silvo desconfortavelmente agudo dos freios da composicao serve de despertador acordando momentaneamente o ajuntamento pendular que, de tao treinado, entra de uma so vez no comboio. A atmosfera da estacao liberta-se e a do interior das carruagens comprime-se. No meio dos olhos meio fechados das gentes, uma rapariga feia e sonifera desata numa verborreia na terceira pessoa, que so termina quando o comboio chega ao seu destino e vomita mais uma pequena multidao na grande cidade. A imobilidade bovina vai num apice dar lugar a uma barafunda divergente, o apisto citadino assim o exige.

quinta-feira, novembro 27, 2003

Next stop ...Antarctida...bye bye (Body parts)

Lembram-se do Joao Garcia, esse grande montanhista portugues que ia marando a subir o Evereste, pois bem o seu proximo objectivo e escalar o Monte Vison, que so fica ali na Antarctida e e` a montanha mais alta do continente mais gelado que existe no planeta. Epa, boa sorte, parece que isto vai acontecer no inicio de Dezembro. Depois ca estamos para ver que partes do corpo e` que ele perde se e` que nao e` desta que bate as botas.
Ele tambem vai ter um diario de bordo online onde nos vai contando a sua aventura, se querem saber se ele atinge o seu objectivo vejam aqui quando estiver disponivel.

Foda-se! Quero este blog rapidamente com 500 visitas por dia! Senao terei que REDUZIR CUSTOS!!!

De certeza que ultimamente ando a dar-me com gente que nao devo....

Uma nova perspectiva sobre os problemas do mundo...

Liguem o som, relaxem, e vejam isto. Quem sabe se não é a explicação para muita coisa...

Luis de Aguiar

e' um jovem poeta cheio de qualidade e com inumeros premios merecidos no curriculo. Chamo especial atencao para quem na blogoesfera se interessa por poesia. Passem por aqui e fiquem a conhece-lo melhor.

E a seguir vou deitar-me e sonhar.

Quem nao se predispoe a conhecer nao ha' estimulo que lhe valha. Pode passar o tempo todo a mudar de rumo e a alterar caminhos, pode hoje estar aqui e amanha no seu contrario. Mas a vida passa-lhe ao lado. Note-se que seguem com os olhos pregados no chao, alias, presos ao chao.

-Presos a uma imagem constante?
-Talvez.
-Um dia quem sabe apenas presos dentro de si?
-E' possivel. Mas nao te queiras adiantar demasiado.

Aqueloutro que diz que a sua rua e' o centro do mundo e bebe freneticamnente cada movimento que presencia, encara o sobe e desce das almas como minutos essenciais da ordem das coisas. A atencao dispersa-se entre ele e o outro, entre o outro e ele, numa circularidade viciante que nao permite distraccoes neutras. Apontar e' dizer que existe e esta' ali. Aponte-se.

(Sonhar com que? Sonhar comigo e com o outro, ate' aposto.)

Para uma evolucao positiva em relacao ao aborto.

Sobre as reaccoes de alguma esquerda ao artigo do Vasco Rato no Independente sobre o aborto, no Bloguitica encontra-se este clarividente post, (1130). Ha' que saber que entre ir avancando e estar quieto existe uma enorme diferenca. A mudanca, principalmente num pais como Portugal e no campo social, e' executada com uma vitoria de cada vez. E' que eu tambem preferia que o aborto, como ultima solucao, ja' tivesse descriminalizado e perfeitamente integrado no Servico Nacional de Saude.

quarta-feira, novembro 26, 2003

Parabens Valencia!

Antes de mais, lamento que a organizacao da Taca America nao tenha sido delegada a Portugal. Naturalmente trata-se de um evento prestigiante, que favorece um certo tipo de economia e ao nivel turistico e' uma publicidade fabulosa. Contudo gostava de condenar vivamente dois pontos. Primeiro a ideia, do tipo milagroso, de que esta especie de eventos com projecao internacional favorece o nosso desenvolvimento global. Como se diz num post do Mata-Mouros:

'Diziam que a Expo 98 era um designio nacional e fizeram uma propaganda ao evento nunca antes vista para coisa alguma neste pai­s.
Lisboa, ja entao a regiao de Portugal exageradamente a frente nos favorecimentos publicos, recebeu uma generosissima requalificacao ganhando novas possibilidades de crescimento. Mas foi a unica coisa positiva que aconteceu. Tudo o resto foi uma desgraca. Muitas das nossas actuais dificuldades financeiras decorrem dessa loucura.'


Para alem da requalificacao da zona da Expo penso que o que tambem ficou foi uma mudanca ao nivel das mentalidades, uma vez que a qualidade e' posivel e o nivel de exigencia pode e deve ser alto, admito tambem que a procura de Portugal como destino turistico tenha aumentado nos anos subsequentes, o que ja questiono e' a real importancia ao nivel do desenvolvimento economico desse aumento, que nao sei se foi exponencial.
Foi a louca segunda metade dos anos noventa em que o pais engordou sem crescer, endividou-se sem poder e consumiu mais do que produzia (o que continua a acontecer) pondo em causa um desenvolvimento sustentavel como se tomou conhecimento de novo esta semana, atraves de um relatorio, julgo que da WWF.

Identifiquem-se as verdadeiras necessidades deste pais e de seguida pergunte-se:
Em que e' que um Euro2004 ou uma Taca America contribui para a melhoria das condicoes nas faculdades, ou torna o sistema de saude mais eficaz, ou diminui as inquietantes assimetrias regionais, ou promove a reforma da justica e da administracao publica? Mesmo a razao mais enunciada de que permite o desenvolvimento do turismo eu questiono, uma vez que Portugal nao e' so Lisboa e uns empreendimentos turisticos no Algarve. Nao quero com isto dizer que sao eventos inuteis mas o desenvolvimento de um pais nao passa por propangandas turisticas pontuais...

O segundo ponto esta' relacionado com a abordagem que foi feita aos pescadores da Docapesca. Nao sei ate' que ponto a decisao tomada foi influenciada por esta situacao mas nao devem ter sido dadas garantias seguras aos pescadores de que a sua actividade e logo a fonte de rendimentos nao estavam ameacados. Espero que quem de direito nao tenha valorizado demais as manobras de namoro acocorado, os encontros e reunioes engravatadas, em desprezo de uma possivel situacao social dificil (mais uma) que os pescadores e suas familias potencialmente viveriam. Um encontro franco e com alternativas dadas aos trabalhadores da Docapesca, em tempo util, teria significado a ausencia de publicidade negativa que no caso existiu em virtude desta questao. Parece que os senhores a viver em Cascais, decerto mal preparados culturalmente, preteriram o cheiro a peixe...

Todos os males em redor da Constituicao fossem esses...

Facam-me perceber a real importancia da referencia ao cristianismo na Constituicao Europeia, senao vou ter que considera-la uma preocupacao esteril...

terça-feira, novembro 25, 2003

Baraka, ou a importancia da arte.

O desenrolar do quotidiano, em principio, sera aquilo que identificamos como a realidade. Mais ou menos consciente, conforme as atitudes que adoptamos para encara-la.

Acrescentar, ou seja, adicionar algo a qualquer coisa que ja existe devia ser um comportamento obrigatorio a toda a pessoa saudavel. Infelizmente, os comportamentos de manutencao que rimam com conservar e defender sao os mais comuns.

Repentinamente entra-se numa sala de cinema e se temos o azar de calhar com um realizador de manutencao aquilo que poderia ser uma viagem interessante, torna-se um sono monotono para o espirito. Nao e sem razao que nos filmes dos realizadores de manutencao, que apenas existem para servir formatos financeiramente apelativos, as pessoas nao olham o filme como arte mas como 'lazer' e sendo assim nao o respeitam, respeita-se o que nao se conhece porque se torna potencialmente intimidatorio e confrontatorio, mas o comum origina um a vontade que permite comer na sala, fazer barulho, falar, rir extemporaneamente por tudo e por nada, e chegar ao final conseguindo contar tudo quase cena por cena, nao porque se tem uma memoria extraordinaria mas derivado da repeticao a que voluntariamente alguem se sujeita.

'Baraka' um filme-documentario de Ron Fricke que tive a sorte e a competencia de ir ver, levou-me para um mundo de indiscritivel e impressionante beleza. Esse mundo e o nosso, filmado de uma forma magistral e atento a complexidade das imagens. O filme e-nos apresentado de uma forma que extravaza o poder de captacao dos nossos sentidos, que a dada altura, inundados de beleza telurica escondendo historias longas, muito longas e complexas, choram de vergonha.

É a vida...

É interessante este sentimento que se abate sobre uma pessoa e que provoca o proferimento desta frase: "É a vida", sempre acompanhada de um suspiro ou comoção. Há também variantes sempre adaptáveis ao sitio e à situação, uma vez no hospital ouvi: "É o serviço nacional de saúde que temos", havia um critico televisivo que falava na "TQT", a televisão que temos, na altura tenebrosa do nunca saudoso Big Show Sic (é curioso, só agora reparei que todos os programas começados por big são tenebrosos), etc, etc, etc... É o conformismo que se apossa de nós ou é a consciência sempre presente na Lusitânia amada do fado, destino a que ninguém pode escapar e que podemos ver raízes nos mitos mais negros (ou belos) dos Helenos? É que se é fado, parece que é fado nosso levarmos com sempre o mesmo destino. Não será altura de mandarmos a venerável instituição suspiradoira passear e mudarmos de discurso? É que não nos podemos desculpar com o fado para sempre...

Portugal no seu melhor

São as pontes que caem, é o chão que abre e engole autocarros, enfim é o nosso país...

segunda-feira, novembro 24, 2003

Um dia.

Levanto-me e dirigo-me ao aeroporto tendo em vista apanhar o aviao para Roma. Durante o voo leio a imprensa e divirto-me com a fraca imaginacao dos terraqueos e aproveito tambem para reler umas paginas da 'Montanha Magica' ao mesmo tempo que a espacos vou descansando os olhos nas comunicativas pernas da hospedeira. Chego a Roma e almoco com a Monica Belluci que interrompeu prontamente as gravacoes do proximo filme em que participa, logo que soube que eu iria estar na cidade.
Depois de uma tarde bem passada num quarto de hotel com tao bela anfitria, onde para meu aborrecimento insistiu lascivamente que lhe proporcionasse o efemero fremito que vale uma vida, desloco-me consideravelmente mais leve ate a cidade do Vaticano, onde no meio da praca de S. Pedro arrasto desde as entranhas ate a boca um bem constituido escarro que cuspo em redemoinho ate embater pastosamente no pedaco de chao mais aparentemente limpo que encontrei e penso que acto mais infame e justo nao pode existir. Satisfeito volto a Lisboa e lembro-me que, de qualquer maneira, a cada um sera dado conforme a sua fe. O inicio da noite e passado numa abrangencia gastronomica notavel numa roda de amigos, onde o prato dialectico principal e saber que fazer com o vice-reitor do seminario de Penafirme: se e legitimo denuncia-lo como instigador de estados mentais insanes ou se o melhor era manda-lo para a incubadora fazer companhia aos galinaceos. Antes de me deslocar para o melhor espaco nocturno europeu - que por sorte e em Lisboa - passo em casa e escrevo no blog um post sofrivel, mas que me da um gozo danado, sobre como seria o dia perfeito. Acabo a noite a beber e a ouvir musica, ao mesmo tempo que ao olhar o Tejo, a beleza deste me recorda que um dia, tal como uma esperanca media de vida, e tao pouco para alcancar a perfeicao, ou para ser feliz, ou para conhecer, ou para ajustar contas. Quando me desiquilibro e caio ao Tejo, parece que inesperadamente tudo se precipitou de uma forma ignobil. Ocorre-me, quando lanco a cabeca fora de agua, que e tao importante saber nadar como ter a pulsao de vida presente em todas as ocasioes. Recordo, aquelas frases uma vez lidas, que ter vertigens e antes de mais o sujeito desconhecer se perante um abismo salta ou da meia volta. Volto para casa a cheirar mal e a sentir bem. Dou uma encharcada nota de euro ao sem-abrigo que morre de frio a beira da sociedade. Amanha volto ao trabalho e se tudo correr bem o sem-abrigo tera um cobertor. Quando cheguei o mundo ja ca estava, quando eu acabar o mundo continuara. Uma solucao de compromisso entre mim e o mundo e preciso. Pensarei nisso amanha.

domingo, novembro 23, 2003

Se aqui nao existir mais ansia de protagonismo do que desapaixonada virgindade, o que encontramos e uma uma grande dose de fe... Como se sabe a fe e irracional, inutil e acima de tudo uma grande distraccao.

O que dira o Pipi, da forma de estar desta miuda? Lanco-lhe desde ja o desafio!
-O que e que mais te irrita?
-Nao sei. Mas reparo agora que o nao saber, irrita-me.

sábado, novembro 22, 2003

Geórgia (não, não é um estado americano)

Na Geórgia, ex-república soviética situada no Caúcaso, o povo levantou-se, derrubou o poder instituído e vai impor uma nova ordem constitucional. O povo, sozinho, vendo que as eleições tinham sido viciadas, revoltou-se. Não houve "paizinhos" libertadores, nem ocupação militar estrangeira. Um povo soberano a tomar nas suas mãos as rédeas do seu futuro. Estão a ver, é possível. Aqui não vai haver traumas nacionais, porque aconteça o que acontecer, foi aquele povo que assim o quis. Aqui vai o meu voto de congratulação.

Qual o filme a que pertenco.

O que? Aqui?

CWINDOWSDesktopPirates.JPG
Pirates of the Caribbean!


What movie Do you Belong in?(many different outcomes!)
brought to you by Quizilla

Ha um proverbio arabe que diz:

Andava no deserto a procura de agua, encontrei petroleo, morri de sede.

A perspectiva.

Um turco vai ao medico, porque diz ele, doi-lhe o corpo todo.
-Toco no braco doi-me, toco na perna doi-me, toco no estomago doi-me, toco na cabeca doi-me! O que e que se passa comigo?

O medico depois de examina-lo diagnostica:
-O que se passa e que tem o dedo partido.


'O Sabor da Cereja'

Abbas Kiarostami.

Fact

"They can hold all the peace talks they want, but there will never be peace in the Middle East. Billions of years from now, when the Earth is hurtling towards the Sun and there is nothing left alive on the planet except a few microorganisms, the microorganisms living in the Middle East will be bitter enemies."

Joke

A blonde, a brunette and a redhead went into a bar and asked the bartender...

Brunette: "I'll have a B and C." Bartender:"What is a B and C?".
Brunette: "Bourbon and Coke."

Redhead: "And, I'll have a G and T." Bartender: "What's a G andT?"
Redhead: "Gin and tonic."

Blonde: "I'll have a 15." Bartender: "What's a 15?"
Blonde: "7 and 7"

Ladies just kidding

Ira que... (II)

Ira, que me sobrevem. Coloco a seguinte proposta a consideracao de todos os 'pacifistas' europeus: fazer uma grande manifestacao numa capital europeia de pressao sob a comunidade internacional para que esta, por sua vez, pressione Israel e o povo palestino a cumprirem escrupulosamente as resolucoes tomadas tendo em vista a constituicao de um estado Palestiniano, a pacificacao nos colonatos bem como de toda a zona. Mas nao uma manifestacao sumariamente anti-semita que devia logo ser a tendencia dos 'pacifistas'... Muitos dos atentados radicais islamicos tem como justificacao a situacao d'o povo martir palestino', o medio-oriente e um verdadeiro barril de polvora. Erradicando-se esta grande causa de instabilidade (nunca na totalidade, infelizmente) muita da accao terrorista fica sem mobil e os regimes mais opressivos com menos 'legitimidade'. Um Iraque estabilizado, e dentro do possivel democratico, e um estado palestino constituido sao duas fontes de apaziguamento que faz esvaziar de sentido accoes terroristas. (Isto se pusermos de parte que nao existe nenhum choque de civilizacoes, mas isso sao outras contas...)

Curioso nao ouvir os 'pacifistas' referirem-se ao conflito israelo-palestiniano, a menos que seja para diabolizar Israel, esses judeus que tem as costas quentes dos Estados Unidos... Tiveram uma grande oportunidade agora em Londres de chamar a atencao para a situacao. Julgaram mais premente ridicularizar a ultima pessoa que precisa de ajuda para se expor ao ridiculo...
Duas referencias: primeiro para um excelente artigo saido no Independente do Vasco Rato e que no Gloria Facil e transcrito aqui e aqui. A segunda para uma noticia no 'The Weekly Standard' que merece alguma atencao e que se pode encontrar no Contra a Corrente. Com a devida venia aos autores dos blogues.
Dedicatoria

Aos Europeus, mesmo que cada um tenha a sua
Europa e nela viva refugiado.
Aos cepticos, capazes de lutar por uma ideia,
mesmo duvidando dela.
Aos solitarios, sem relacao com a cidade,
embora tenham de a defender.
Aos que criam coisas novas e seguem o seu caminho,
deixando que os outros as aproveitem.
Aos que correm todos os perigos de pensar e agir.
Enfim, aos corajosos, que olham a direito,
para os homens e os deuses.


Carlos Vale Ferraz

'O Livro das Maravilhas'

Ira que...

Ira, que me sobrevem. O que sao as pessoas? Reformulemos a pergunta que para alcancar melhor o nosso objectivo vamos tornar situacionista: Quem sao as pessoas que participaram em Londres, na manifestacao anti-America, materializada em anti-Bush? O que as move? Quais as suas intencoes? Como se enquadram na sociedade ocidental que e nossa? Uma profunda compaixao pelo sofrimento do proximo? Na circunstancia, pelos Iraquianos? Pensem de novo.

A grande maioria dos milhares de pessoas retratadas neste texto sao 'pacifistas' (seja la o que isso signifique), comunistas (os mais velhos), militantes ou simpatizantes da esquerda radical (os mais jovens e que eram muitos), anarquistas, 'ecologistas', homossexuais militantes (agora e que caiu o carmo e a trindade...) para alem de nomadas em geral que a sociedade urbana criou e que se excluem mutuamente.

Sao estes que concentram sobre si mais atencao, que normalmente se tornam bastante mediaticos neste tipo de causas e que resultado da forma 'criativa' (entenda-se sem nenhum tipo de substancia) como se apresentam atraem a simpatia de incautos cidadaos que trabalham e contribuem para a sociedade ocidental em que vivemos (e que esta longe de ser perfeita). (Alias, lendo de novo o segundo paragrafo deste post, rectifico, muito longe de ser perfeita.)

O que tem em comum os grupos que citei? Nao gostam desta sociedade. Nao gostam da sociedade europeia ocidental onde vivem. Nao gostam do outro, nao gostam de si. A prova e que se auto-excluem.
Desprezam os valores, que a custo foram sendo fundados, e que tornaram a Europa e os Estados Unidos, o melhor sitio para se nascer. A sua vocacao e destrutiva, o seu objectivo e subverter. 'A queda de Bush a imitar Saddam', diz tudo da total subversao em que aquela gente esta inserida. Comparar Bush a Sadam e de uma confusao, de uma falta de sentido etico, de uma desintegracao, de um desenraizamento notorio. E essencial informa-los, esclarece-los, (visto que nem tentar conhecer um pouco mais esta sociedade, eles mostram vontade) que para derrubar Bush (criatura sem duvida insuficiente) nao e necessario usar forca. Basta haver eleicoes nos EUA. Coisa impossivel de acontecer no Iraque enquanto Sadam estivesse no poder.

Outra coisa que e necessario desmistificar e que me parece bastante clara e a extraordinaria ambivalencia que aquelas pessoas de psicologia complicada mostram. Eles desprezam afincadamente esta sociedade por ter na imagem um dos grandes motores, no entanto, eles proprios utilizam a imagem como forma de se lancarem na ribalta, toda aquela manifestacao foi tao somente baseada num conjunto de imagens vazias de conteudo. Nem caricaturas chegam a ser. Imagem que desprezam por ser um dos pilares demoniacos em que assenta a sociedade actual que rejeitam ferozmente, e que vai desembocar no 'capitalismo'.

Ora, e exactamente atraves da existencia de pessoas extremistas como aquelas, uma vez que se existe um 'pacifista' e porque existe guerra, que mais uma vez tomamos consciencia que estas sociedades onde vivemos sao imperfeitas, mas em paralelo, atraves da sua livre manifestacao vulgar, podemos estar certos ser esta a sociedade que mais hipoteses da ao desenvolvimento humano. Mesmo que alguns optem livremente por escolher a total recusa exterior (porque interior) como forma de vida.

sexta-feira, novembro 21, 2003

APOIADO!

Faço minhas as palavras deles

Cinema

O Quarteto festeja a partir de hoje o seu 28º aniversario com uma programação especial. As quatro salas funcionarão em simultaneo com algumas reposições e ante-estreias, destacando-se a sala 2 que está entregue á Associação Zero em Comportamento (responsavel pelo Cine 222) onde estarão, entre outros, filmes como "Gerry" de Gus Van Sant e "Inadaptado". Os afitriões desta sala serão David Fonseca, Possidonio Cachapa e Nuno Gonçalves (The Gift) que apresentarão as 21:50h as suas escolhas. Para saber mais detalhes vêr aqui.

quinta-feira, novembro 20, 2003

Pois...tá bem!

Love actually

Um filme do realizador Richard Curtis (Four Weddings and a Funeral, Notting Hill, Bridget Jones`s Diary) que nos traz esta comedia romantica. Com a aproximacao do Natal penso que temos aqui um filme apropriado a epoca natalicia. Vale a pena ter atencao a Lucia Moniz, que tambem tem uma participacao neste Brit movie.

terça-feira, novembro 18, 2003

Farpas para o Deserto

Parece que só chateio os jornalistas mas aquela de dizerem que a culpa de terem sido apanhados 10 minutos (deve ser um recorde mundial) depois de passarem a fronteira é culpa do Governo é de rebolar a rir. Todos sabem que eu não regateio culpas ao governo por nos meter no lodaçal que é o Iraque, e quando sangue luso começar a ser derramado sempre quero ver o que os que cantam loas à politica externa actual vão dizer. Se calhar vão dizer que eles morreram em nome da comunidade internacional que à poucos meses desprezavam... Mas voltando aos jornalistas, então eles não estavam informados dos perigos? Os jornalistas não estavam informados dos perigos? Então quem é que estava? E a missão deles não é estar informados? No dia anterior tinha sido o atentado contra os italianos... no dia anterior... e eles não estavam informados? E entram no Iraque sozinhos? Sem escolta? Mas onde é que julgam que estão? Em Alguidares de Baixo a fazer "mais uma história TVI"?
E o que dizer daquele jornalista da TSF que viu os outros carros a passar por ele a acelerar e se deixou apanhar? O que é que ele julgava? que os outros estavam a jogar à apanhada? Que era uma corrida, ou talvez uma partida? Deixou-se apanhar, deu um trabalho dos diabos aos pobres soldados ingleses (já devem estar a desejar estar lá sozinhos com o trabalho que os nossos jornalistas lhes dão) e agora é heroi nacional... por não ter percebido e por se ter deixado ficar para trás (ele conduzia o carro e foi o único apanhado) é um heroi nacional? Bem, nesse caso só espero nunca vir a ser declarado heroi nacional...

segunda-feira, novembro 17, 2003

Excelente

o comentario de ontem na SIC do Pacheco Pereira em relação ao excesso de horas de emissão que a estação supostamente de serviço publico dedicou á inauguração do Estadio do Dragão. Pacheco Pereira afirmou que "a ideia de que o futebol é interesse publico é uma mistificação", efectivamente em Portugal e não apenas nos assuntos relacionados com o futebol, mas em quase todos os espaços informativos, não se faz a distinção do que é de interesse publico do que é de interesse do publico..são coisas diferentes. PS: Hoje o jornal Publico dedica uma pagina a Pacheco Pereira onde, entre outras coisas, se fala do Abrupto. Vale a pena lêr.

Operacao Antiga Babilonia

Nao posso deixar de desejar boa sorte ao contigente de militares da GNR que se encontra no Iraque. Realmente eles merecem a nossa lealdade e apoio visto que estao a representar o nosso pais naquilo que acredito ser uma missao justa. Muito poderia aqui falar da escolha da GNR para tal missao e talvez ate da adequacao a nivel do pessoal que a integra (embora acredite que facam o melhor possivel) mas a verdade e que nada disso ja importa. Se este e o apoio que se encontra dentro das possibilidades para Portugal pois entao que seja e que nao se diga que nao demos o nosso contributo. Obviamente que esta nao e a unica medida a tomar mas temos que ter consciencia da nossa realidade e se de alguma forma podermos ajudar a criacao de um Iraque mais seguro, democratico, onde possa haver liberdade de expressao e onde nao se receie um regime opressivo (para dizer o menos) trazendo assim paz a regiao entao devemos faze-lo. E preciso manter o compromisso no Iraque ou como se diz em ingles "stay the course". Como disse Durao Barroso: Portugal "continuara ao lado do povo iraquiano e dos seus aliados na forca multinacional, e tambem ao lado das Nacoes Unidas". Desta forma ao subagrupamento Alfa deixo aqui os meus sinceros votos de boa sorte, que desempenham funcoes ao melhor das suas possibilidades e que tenham cuidado.

"E agora vamos em directo para..."

Nestes últimos dias alguns dos grandes heróis dos noticiários têm sido os próprios jornalistas. O que me fez lembrar uma das coisas mais inutil e que me irrita mais a já algum tempo: os directos desnecessários. E não falo daqueles directos género: "Estamos aqui com a familia do concorrente do Big Brother/Operação Triunfo/Um programa qualquer da sic que não me lembro mas do género", porque nesses casos não é o directo que é estúpido, é a notícia que é estúpida. Estou a falar de qualquer notícia em que se faz um directo, por exemplo, para a frente de um hospital onde está um ferido, ou qualquer coisa do género e em que o jornalista aparece à porta do dito hospital, só para dizer que não há novidades, os médicos não comentaram ou não houve confirmação do que quer que fosse e depois repetir o que o pivot já tinha dito. A utilidade do directo foi portanto para... dizer que não tinha descoberto nada... então... mas não era para descobrir que ele está ali? Para nos informar?
E quando vão em directo só para colher a opinião das pessoas que passam? E para quê? Toda a gente inteligente que eu conheço, foge à visão de uma camâra, quanto mais deixa que um jornalista lhe faça perguntas do género: "Então como é que se sente neste momento?". Isto quer dizer que as pessoas que normalmente são entrevistadas... deixam um bocadinho a desejar (sim, é um eufemismo). Mas quem é que lhes disse que eu quero saber o que é que as pessoas que passam na Rua de Sta Catarina ás 13h30 pensam sobre a fusão do átomo? Não seria melhor, não sei, falar com um especialista? Ou será que isso se tornaria "chato"?
Eu sei que a teoria é que um directo prende os espectadores, mas nem todos somos estúpidos e esta cena de nivelar por baixo está-se a tornar um bocado irritante.

domingo, novembro 16, 2003

Pequenas grandes noticias.

Ouvi de relance no Telejornal que houve uma manifestacao de solidariedade em Nassiria (Iraque) protagonizada, na sua grande maioria, por estudantes e professores iraquianos condenando os atentados terroristas que vitimaram militares italianos. No meio do verdadeiramente explosivo turbilhao noticioso que so da conta 'das grandes dificuldades que os norte-americanos estao a ter porque sao uns malvados invasores', estas noticias passam despercebidas; nao interessam a quem quer ver sangue americano derramado no deserto, cada americano morto e uma felicidade para os 'pacifistas', para os anti-america, dirao: 'Quem os mandou invadir um pais independente? Nao tinhamos nos razao?' A razao nao se ve em alguns duros meses, a razao ve-se a longo termo. Os professores e os estudantes, e estes ultimos sao o futuro de um pais, que se manifestaram em Nassiriya, quero acreditar, podem ser um sinal que o Iraque ha-de ser um pais livre e plural, salvaguardando as distancias a que as diferencas culturais obrigam.


Neste contexto nunca me apeteceu tanto citar Pacheco Pereira como agora:

Eu tenho um lado, mas ninguem me ouvira dizer que este e o lado de Deus, como na cancao de Bob Dylan. Mas ouvir-me-ao dizer que este e um lado dos homens, do modo de vida que escolhi (escolhemos), de uma precaria mas identificada civilizacao (a palavra e adequada) que ja mostrou o que vale e que nao vive do terror, nem da violencia, mas da procura da conciliacao de interesses e modos de vida. Nenhuma outra civilizacao me da as liberdades e a possibilidade de felicidade que esta me da, a mim e, potencialmente, a todos os homens. Nao estou certo de tudo, mas das duas frases anteriores estou inteiramente convicto.




E mais uma vez o ultimo discurso de Tony Blair na 'Camara dos Lordes' afirmou-o como lider forte que e. Declarando tambem que as relacoes externas se devem basear no dialogo com os E.U.A. bem como na integracao europeia. (Embora Mario Soares tenha dito, como forma de justificar o que defende, num programa esta semana qualquer coisa como: 'ate Tony Blair que tem tomado as posicoes que se sabe em relacao aos EUA disse que a vocacao europeia e fulcral'. Ou seja deu metado do recado porque na verdade Tony Blair tanto valorizou o dialogo com os EUA como a Uniao Europeia.)

sábado, novembro 15, 2003

Radios

Parece que a radio Voxx e a Luna foram compradas pelo deputado do PP Nobre Guedes, que tenciona alterar-lhes a programação. Fazemos votos que isso não aconteça.
A radio que por uma boa noticia vai ao fim da rua, vai ao fim do mundo, a melhor radio portuguesa, ja pode contar com o seu enviado especial ao Iraque -o Carlos Raleiras- que esteve sequestrado durante 30 horas. Fora as polemicas adjacentes a situacao, congratulamo-nos por isso e fico contente por o Carlos Raleiras, reporter que me habituei a ouvir na TSF nos mais variados trabalhos, estar de boa saude.

As 'meninas' e as 'maes' de Braganca, alias, mulheres de Braganca.

As auto-intituladas maes de Braganca andam mais sossegadas. Descobriram que antes de serem maes eram mulheres e ao mesmo tempo que sao maes sao esposas. Isto e uma descoberta sem duvida dramatica para o negocio das 'meninas' que vai declinar muito naturalmente. Foi decidido em plenario, organizado pelas ex-maes de Braganca, agora auto-denominadas Mulheres de Braganca, assim mesmo com eme maiusculo, que se iam deixar de queixinhas e lamentacoes e iam passar a contra-atacar. Assim, fizeram um esforco economico suplementar e deslocaram-se as melhores lojas de vestuario da cidade tendo em vista renovarem o guarda-roupa, com pecas mais actuais, aliciantes e atraentes aos olhos renascidos dos respectivos maridos. Algumas mais ousadas, para gaudio dos maridos espantados, ate adquiriram toda uma gama de sensuais pecas de lingerie desde meias de lycra que terminam na coxa ate cuequinhas minimas, passando por soitiens que realcam os generosos seios transmontanos. De salientar que algumas mulheres mais rechonchudas, para sermos simpaticos, mas tambem empenhadas em fazer ver aos maridos o que e uma mulher a serio, tiveram que colocar de parte algumas das iguarias mais apreciadas e caloricas em terras transmontanas. Trata-se de um espectaculo digno de se ver, aquelas ruas principais do centro de Braganca. Neste momento qualquer uma ficaria optimamente num daqueles video-clips com musica e filmado em camara-lenta. Outra das resolucoes tomadas foi no que ao folguedo nocturno diz respeito. As caladuras das mulheres de Braganca, normalmente avessas a objectos externos, tornaram-se mais frequentadas que comboios suburbanos em hora de ponta. Ora, as horas de ponta dos homens de Braganca multiplicam-se, mas a produtividade nao aumentou apenas dentro de casa, eles andam tao satisfeitos que a produtividade nos empregos de cada um aumentou exponencialmente. Dizia o Joaquim numa roda de amigos: 'Quando vejo a minha Adelaide de pernoca ao leu em cima da cama, eu so grito:''Brasileiras, para que vos quero'', e salto para cima dela!
Como se ve aquilo tem sido um fartote. Num encontro recente das mulheres de Braganca ouviu-se o testemunho da Maria da Anunciacao que, com um certo rubor nas faces, disse : 'O meu marido pediu-me para lhe fazer um broche... Mas eu a mim mete-me impressao...' A Felizberta, a quem o marido no leito chama com propriedade 'Feliz Aberta' e que se tornou versada na arte da succao, respondeu despachada: 'Oh mulher! Aquilo nao custa nada ele mete-te a gaita na boca e depois com a mao empurra-te a cabeca para a frente e para tras!' Com ligeira sobranceria a Manuela, mulher ainda jovem mas ate ha algum tempo enredada nas teias do medo e que se benzia sempre que tinha 'pensamentos pecaminosos', contou: 'Desde que deixei o meu homem dar-me umas cajadadas nunca mais lavei a louca, ja viram??? Quando estou a comecar ele vem devagarinho eu faco-me de despercebida e zas! Ja tou agarrada ao lava-loucas de cu pro ar! Depois acaba de lava-la ele!' A Manuela tem sido um exemplo a seguir. Segundo consta as mulheres de Braganca nao conhecem agora tabus e a sua vida familiar melhorou a olhos vistos, os maridos deixaram de ter que cometer a ignominia de deixarem as suas casas para satisfazerem os seus desejos de seres humanos saudaveis e tornaram-se mais atentos as suas mulheres. Estas novidades nos costumes brangantinos ainda origina o pasmo dos padres locais que veem o cheiro a incenso das igrejas ser substituido pelo 'Very Irresistible' de Givenchy, mas o sucesso da estrategia das Mulheres de Braganca, fala por si. Segundo consta as 'meninas' de Braganca passam agora as noites a jogar domino...

Santa Ignorancia.

Umas estatuetas la para os lados de Aveiro, daquelas que se colocam nas fachadas das casas para dar sorte, ou protecao, ou seja la o que for, comecaram a desfazer-se. Talvez a passagem do tempo va detiorando aquele material, que diga-se ser francamente mau, os donos de tao abencoadas estatuetas em vez de reclamarem junto dos vendedores para estes alertarem os fabricantes que devem ser mais exigentes com o material que utilizam em vez de apenas se preocuparem desenfreadamente com o lucro originado na 'fe', rapidamente acharam que se tratava de um fenomeno do tipo 'milagroso' onde agora ocorrem em santa e fiel romaria umas centenas de basbaques. Os donos das casas e que devem andar felicissimos porque 'ja deram na televisao' e sendo assim a sua passagem pela vida ja se encontra plenamente justificada. Acreditam eles que a estatueta 'chora'. No meio de tudo isto, onde anda a Defesa do Consumidor? Sera que as estatuetas tem garantia?

Reflexão para o fim de semana

«Devemos andar sempre bêbedos. Tudo se resume nisto: é a única solução. Para não sentires o tremendo fardo do Tempo que te despedaça os ombros e te verga para a terra, deves embriagar-te sem cessar.
Mas com quê? Com vinho, com poesia ou com a virtude, a teu gosto. Mas embriaga-te.
E se alguma vez, nos degraus dum palácio, sobre as verdes ervas duma vala, na solidão morna do teu quarto, tu acordares com a embriaguez já atenuada ou desaparecida pergunta ao vento, à onda, à estrela, à ave, ao relógio, a tudo o que se passou, a tudo o que gemeu, a tudo o que gira, a tudo o que canta, a tudo o que fala, pergunta-lhe que horas são: 'São horas de te embriagares! para não seres como os escravos martirizados do Tempo, embriaga-te, embriaga-te sem cessar! Com vinho, com poesia, ou com a virtude, a teu gosto'».

Charles Baudelaire

sexta-feira, novembro 14, 2003

Não ouçam pela vossa saude!!

Cometi o disparate de ir espreitar o site da Nova Democracia e fazer click onde diz "ouvir hino", com mil raios para alem da letra ser horrivel o hino é cantado pela Dina!! Para os mais destemidos que queiram arriscar ouvir aqui fica o link... mas depois não digam que não avisei.

quinta-feira, novembro 13, 2003

A miss universo é verde?

Uma das coisas que eu sempre achei extremamente estúpida foi o concurso da miss universo. Mas miss universo porquê? Por acaso participam marcianas? Ou outras formas de vida extraterreste? Por acaso sabemos sequer se os E.T.'s têm sexo? E se sabemos, qual o feminino? Ainda se participassem as astronautas que foram à estação espacial, ou as russas que foram à MIR... aí talvez se podesse chamar miss mundo e arredores, ou miss universo explorado, agora declará-la assim sem mais nem menos miss universo é no minimo duvidoso.
E porque raio se há-de considerá-las as melhores? São só as melhores daquelas que concorreram, não as mais belas do mundo. As raparigas verdadeiramente giras não sentem a necessidade de irem a qualquer tipo de concurso para se afirmarem. Aliás todos nós conhecemos (nem que seja de vista) gajas muito mais giras do que qualquer miss Portugal. É só o que eu acho, não sei.

quarta-feira, novembro 12, 2003

Teste

Enquanto lia os posts da Bomba reparei no link para um teste de personalidade, penso que vale a pena compartilha-lo aqui, qual o personagem do Matrix com que nos identificamos mais. No meu caso calhou-me este gajo, e um tipo um bocado chato as vezes mas e boa pessoa.

You are Morpheus-
You are Morpheus, from "The Matrix." You
have strong faith in yourself and those around
you. A true leader, you are relentless in your
persuit.


What Matrix Persona Are You?
brought to you by Quizilla

Embora manifestamente atrasado, quero enviar (em nome do quarta ferida), um cumprimento especial ao O Bisturi por, que eu saiba, ter sido o primeiro blog a colocar-nos na lista de blogs com links. E sempre simpatico.

O Instituto de Conservacao da Natureza em vias de extincao.

Ontem a noite apanhei a meio o programa "Planeta Azul" da RTP 2 (em repeticao) onde se falou da aguia-pesqueira em Portugal. Atente-se: nao da aguia-pesqueira como especie abundante que habita as costas rochosas do sul de Portugal, pelo contrario, de uma unica aguia-pesqueira. Um macho. Unico. Ultimo. Apresentaram em paralelo uma reportagem feita no Reino Unido onde uma equipa de investigadores liderada por um ornitologo de renome conseguiu, com sucesso, trazer para Inglaterra da Escocia, numa viagem de 800 km, alguns exemplares da especie para nidificar.
Em Portugal, para fazer face ao perigo imediato de extincao da especie em causa, pensou-se fazer o mesmo sendo a procedencia das aves a Finlandia. Diziam os ornitologos britanicos que a viagem, fosse de 800, fosse de 3000km, nao seria obstaculo, o que poderia constituir obstaculo seriam as caracteristicas do habitat, o que segundo os investigadores nao se verifica. E esta tambem a opiniao dos biologos portugueses que, com base no conjunto de dados recolhido, previam boas probabilidades de sucesso para reintroduzir a aguia-pesqueira na costa atlantica do sul de Portugal. Ja nao e assim que pensa o ICN e o projecto nao vai avante.
Fraco pai­s este, que assiste a lenta extincao de especies animais protegidas, considerando que tambem isto nos torna mais pobres. Fraco pais este, onde a protecao dos animais so salta para a ribalta uns dias em Agosto quando alguns se lembram, quase por extravagancia, que matar umas vacas e uns bois e feio, voltando depois de consciencia sossegada para o "shopping", enquanto os outros, o povo esquecido que os mata ha umas geracoes, voltam, rudes, para o amanho da terra. (Ainda o amanho da terra?)
E assim que a aguia-pesqueira macho, o ulltimo, isolado da sua especie, continuara votado a um triste destino, voando sobre um unico ninho, o seu, onde nunca existirao descendentes para perpetuar sobre as aguas do atlantico, o voo nobre, o olhar arguto. E e assim que eu temo, por exemplo, pela vida do lince iberico na serra da Malcata, muito embora saiba que a situacao ja foi mais delicada. E fico sobretudo apreensivo, quanto a capacidade do Estado zelar pelas vidas ameacadas das cegonhas negras, e de diversas aves de rapina, nomeadamente, a aguia-real, grifos, abutres-do-Egipto e aguia de Bonelli, entre outras, que nidificam nas escarpas ribeirinhas do troco internacional do rio Tejo e seus afluentes (Erges e Ponsul), zona constituida como Parque Natural do Tejo Internacional em 2000. O parque, criado nos concelhos de Castelo Branco e Idanha-a-Nova e um dos habitats mais importantes da avifauna iberica, zona de uma beleza imcomparavel, quase selvagem, e muito pouco conhecida. Os limites do parque ficaram aquem do que a Quercus desejava, que esta no terreno ha ja muito tempo, mas o ICN assim ditou. Na altura da criacao do parque, que esteve prometido durante quase uma decada e teve um parto dificil porque as populacoes locais, feridas, ciumentas ate, por os poderes institui­dos nunca com elas se terem preocupado e mesmo abandonado a  sorte de uma zona desertificada, vindo depois obriga-las a cumprir regulamentos que a todos os parques naturais assistem e que contestaram, na altura, dizia eu, prometia-se e pretendia-se potenciar actividades tradicionais e de turismo de natureza, que eu saiba pouco ou nada foi feito e um patrimonio inestimavel continua pouco valorizado. Mas o essencial e que se consiga travar a extincao de aves unicas enquadradas numa paisagem belissima e que se possa continuar a observar por muito tempo o seu voo. E aqui envio uma palavra de consideracao ao trabalho desenvolvido desde ha muito pela Quercus de Castelo Branco.
Fraco pais este, se tiver um ICN titubeante, porque a riqueza de um pais passa, e o seu grau de desenvolvimento mede-se, tambem pela protecao da natureza (aspecto tanto mais relevante sendo Portugal um destino turi­stico que se quer de qualidade e nao apenas baseado em 'programas de praia'.) Quando ja nada existir para proteger na natureza, porque tudo se deixou perder, ja nao fara sentido o ICN existir, uma vez que a causa defendida pelo o ICN se esgotou ingloriamente. Agora ainda faz. E o papel e a accao do ICN e tanto mais importante na medida em que por vezes se situa entre os interesses economicos (alguns legitimos, outros duvidosos), interesses ignorantes, o imediatismo, ou tao so o bem estar das populacoes, e uma certa utopia (?) das associacoes ambientais.

terça-feira, novembro 11, 2003

TGV para que te quero

Acabou mais uma cimeira ibérica com uma nota de surrealismo e mania das grandezas. Não se previu nem uma, nem duas, nem três, mas sim quatro, minhas senhoras e meus senhores, quatro ligações de TGV à Espanha. Porque não seis? Pode ser que à meia dúzia saia mais barato, ou que nos deêm um conjunto de atoalhados e um balde de plástico... Mas falando a sério, se for posível, porque isto parece uma comédia: alguém acredita nisto? A sério, alguém? Depois dos séculos que foi preciso para a porcaria do metro do Porto ser feito (uma coisa que parece a versão do elétrico 15 para o Restelo, só que sem ser pitoresco, é que nem chega a ser um elétrico rápido, é só um elétrico com faixa própria...) alguém acredita nisto? E não era suposto estarmos em contenção orçamental? Então e a conversa de não há aeroporto enquanto houver crianças em listas de espera? (Demagogia? Não!) Será que por milagre já não há? Ou já as mandaram trabalhar para pagar as propinas?
Graças a Deus que nos atrasamos e tivemos que seguir os espanhois, porque ninguém me consegue convencer que a ligação por Salamanca era melhor para o país do que a por Mérida. A única ligação que pode ser (eventualmente) económicamente rentável é a Lisboa - Madrid. É o lógico que esta se faça pelo caminho mais curto, são as duas capitais, grandes centros económicos, etc. Porquê o desvio para o Norte? Para contentar meia dúzia de baronetes do arriba Douro? Mas não se sabe que a própria ordem dos engenheiros portuguesa defendia o traçado espanhol? O medo dessa nortada é assim tão forte?
Porto - Vigo vai ser giro... gostava que alguém me explicasse para o que é que vai servir. É que eu já estive em Vigo, e não há lá nada. A sério, aquilo é um porto, como o Porto... (OK, eu sei que o porto do Porto é Leixões, mas o trocadilho era irresistível). E ficam tão perto que não sei se o TGV vai sequer alcançar velocidade máxima por tempo suficiente para ser rentável... é que ficavam melhor servidos por uma rede de camionagem expresso com faixa própria na autoestrada... ou melhor: porque não levar o Metro até lá?
A sério então e o investimento nas linhas que existem, as electrificações que faltam, o tornar o comboio um meio de transporte verdadeiramente alternativo ao automóvel, mas sem estes exageros.
(Esta megalomania faz-me sempre lembrar aquela história de D. João V que quando soube quando custava um carrilhão para Mafra, encomendou dois. Ouro do Brasil, claro. Não chegou a saber foi que um só servia perfeitamente, aliás é o único convento do mundo que tem dois. Raramente foram utilizados, hoje acho que só há um português que os sabe tocar.)
Aveiro - Salamanca? Acho que gozar era fácil demais. Faro, ainda vá que não vá...
O que vale é ninguém acredita que isto vá assim para a frente, mas se assim é porquê esta fantochada toda?
Uma última questão: TGV é para os franceses (Train à Grand Vitesse), os espanhois chamam-lhe AVE (Alta Velocidad Española), como é que nós lhe vamos chamar? Quem é que vamos imitar?

segunda-feira, novembro 10, 2003

Desculpem mas esta não percebo!

Foi ontem apresentado pela Câmara Municipal de Lisboa o projecto SAL-Silos Automoveis de Lisboa, que consiste na criação de parques de estacionamento em altura nos bairros historicos de Lisboa. Logo que tomei conhecimento da noticia pensei que esta era mais uma medida para se perder a identidade e tradição dos bairros historicos, a confirmação veio de seguida com a declaração de Santana Lopes "mudar, romper com o tradicional, adoptar conceitos funcionais com uma nova estética. É o que defendo para uma Lisboa de futuro", fiquei baralhado! Desculpem a minha ignorancia mas eu julgava que era exactamente o oposto que se queria para os bairros historicos seja de Lisboa, Porto ou outra cidade. Para os bairros historicos pretende-se exactamente manter o tradicional e a estética caracteristica desses bairros...pelo menos julgava eu...

Solidariedade

O Notas Verbais queixa-se do "desaparecimento de textos e estranhos bloqueios no acesso ao blogue" afirmando tambem que existe um "criterio selectivo da intervenção". Visitar o Notas Verbais para saber mais detalhes.

Mandamento 11º: Nao usaras as diferencas culturais como arma de arremesso.

Que foi, e sejamos bem claros, o que alguns andaram a fazer ultimamente na blogosfera.

O Liberdade de Expressao acha que eu confundi juizos de facto com juizos de valor quando digo (num post que pode ser encontrado mais em baixo neste blog) que as afirmacoes do Catolico e de Direita baseadas em Thomas Sowell sao declaradamente etnocentricas. Ocorre-me, e tomando por factos provados as consideracoes feitas acerca das diferencas culturais, perguntar ao Liberdade de Expressao o mesmo que ja perguntei num mail de resposta aos autores do blogue Nacionalista (pergunta escusada bem sei...)

"Entao atiremos para longe o etnocentrismo. O Catolico e de Direita primeiro refere que ha umas largas dezenas de jovens que provocaram desacatos e depois constata a diferenca entre dois tipos de cultura. No contexto atras enunciado, de que serve faze-lo? Qual o proposito?"

Obviamente trata-se de utilizar aquilo que ate pode ser uma discussao interessante (as diferencas culturais) como simples arma de arremesso. Mas eis a resposta que recebi (apenas a divulgo porque presumo que os seus autores nao tem pejo de a assumir publicamente):

'Faz todo sentido fazer essa referencia. O proposito foi o de demonstrar que certos tipos de imigrantes, pela sua incapacidade, e falta de vontade, em se adaptarem as normas e padroes do povo "hospedeiro" devem ser mantidos bem longe do territorio nacional.'

Responderia tambem assim o Liberdade de Expressao a mesma pergunta?

Reafirmo: No que diz respeito a Imigracao nem demasiada inaccao, nem demasiados 'sentimentos de superioridade'. Apenas boas politicas.

Assunto encerrado.

domingo, novembro 09, 2003

Online Gaming

Ando muito contente agora que finalmente consegui ter uma ligacao ADSL a internet (mais rapido) permitindo-me assim uma das minhas actividades preferidas, jogar online. Quem sabe do que estou a falar certamente que reconhece o gozo de um First Person Shooter onde podemos acabar (diga-se exterminar) totalmente com os nossos adversarios (pessoas reais) e ainda gozar (ou ser gozado) com eles. Jogar contra um computador ate que esta muito bem, permite-nos aprender e praticar um pouco mas rapidamente nos cansamos, nada se compara a accao protagonizada por oponentes de carne e osso, que pensam como nos para tornar as coisas mais interessantes, e algo completamente diferente em termos de estrategia e jogabilidade, para quem se quer realmente divertir este e o caminho a seguir. Tenho aproveitado para revisitar alguns dos classicos tal como o Medal of Honor, parece que o Battlefield tambem nao e mau mas tenho jogado mais no Global Operations e recentemente no Vietcong (mortifero) mas deixo-vos aqui um palpite, Call of Duty, certamente o proximo grande titulo a nivel de FPS`s, a demo esta excelente e quero ver se consigo o jogo. Quem sabe nao nos encontramos por ai e podem ter a oportunidade de serem massacrados by yours truly. Fiquem bem e joguem muito.

Por dentro das guerras

Um livro de Mario Rui de Carvalho, reporter de imagem, que vai ser lancado em breve, parece-me interessante o que este cameraman nos tem a contar do seu percurso profissional.

sábado, novembro 08, 2003

A velha "nova democracia"

Estive agora a ver uma reportagem sobre o congresso do novo partido, feito à imagem e semelhança do seu líder, o partido da "nova democracia" (ND). Não sei se é o meu pessimismo natural mas quando me apresentam algo como novo penso que não vai vir daí coisa boa. Aparentemente os meus receios confirmaram-se. O partido é apresentado como nem de esquerda nem de direita, que vai definir as suas políticas de acordo com "o coração", nas palavras de uma entusiástica militante... passo a traduzir: o que isto quer dizer é que não tendo nem sequer uma orientação ideológica a ND vai poder ziguezaguear as suas posições ao sabor das sondagens. Para além disso este "método" faz aumentar ainda mais a dependência do líder, uma vez que não tendo orientação geral o militante não sabe à partida a posição do partido face a determinada política até ao líder a afirmar... demagogia? Não!
Outra declaração curiosa que ouvi, desta vez a um militante barbudo: o facto de não ser de esquerda nem de direita vai permitir que este partido seja das pessoas que "admiram Fidel Castro e Pinochet ao mesmo tempo"... só uma pergunta... como é que se pode admirar um ditador que é um general fascista com políticas económicas ultra-liberais, aliado dos EUA e que reprime brutalmente qualquer oposição com um ditador que é um general comunista com políticas económicas de direcção centralizada da economia antigo aliado da URSS e actual da Coreia do Norte que reprime brutalmente qualquer... espera... é isso que eles têm em comum... Mas isso é bom?
Depois falou Manuel Monteiro... as opiniões do costume sobre os assuntos do costume... Demagogia? Não!
Só gostava de saber o que há de realmente novo nisto tudo.

sexta-feira, novembro 07, 2003

Agressivo??? Eu???

The Big Five Personality Test
Extroverted|||||||||||| 44%
Introverted |||||||||||||| 56%
Friendly |||||||||| 32%
Aggressive |||||||||||||||| 68%
Orderly |||||||||||||| 56%
Disorderly |||||||||||| 44%
Relaxed |||||||||||||||| 62%
Emotional||||||||||38%
Intellectual |||||||||||||||||| 78%
Practical |||||| 22%
Take Free Big 5 Personality Test

quinta-feira, novembro 06, 2003

Parece que

finalmente a sociedade portuguesa se vai ver livre dessa criatura chamada Jose Castelo Branco, basta que isto se confirme.

Sim ha imigrantes demais, a viverem em condicoes demasiado humilhantes.

Sempre que alguem se insurge e condena actos, como aqueles noticiados recentemente em que cerca de 200 jovens, na sua grande maioria portugueses de origem africana, provocaram graves disturbios (leia-se vandalisaram, roubaram e agrediram) na linha suburbana de Sintra, ha outros que respondem apelidando os primeiros de racistas.
Ou seja, a um discurso politicamente incorrecto (errado) opoe-se um discurso politicamente correcto (errado). Parece que os segundos preferem ignorar este tipo de noticias (e ignoram, talvez porque sentem que a sua indulgencia os co-responsabiliza) e os primeiros, reagindo sumariamente, muitas vezes dizem disparates, na medida em que nao acrescentam nada ao debate a nao ser uns tantos adjectivos dirigidos a tao funestas criaturas que tem na massa do sangue a pratica de atentados a sociedade. O discurso politicamente correcto reage defendendo apaixonadamente os 'amigos imigrantes', de uma forma displicente nao propondo nada de serio para que actos levados a cabo por pessoas perfeitamente desintegradas nao se verifiquem. De salientar que o que gira em torno das questoes ligadas a imigracao e a (des)integracao, mais do que qualquer outra problematica.
Em primeiro lugar, e bom lembrar que o conceito 'raca' nao existe a nivel cientifico, e disto resulta existir sim, intolerancia, etnocentrismo, etc. Lembremo-nos tambem que integracao nao e sinonimo de assimilacao. Para melhor informacao recomenda-se a leitura de Levi-Strauss.
Os termos utilizados na condenacao de semelhantes actos sao, muitas vezes, apressados (como demonstra o Ultimo Reduto) e o Catolico e de Direita (CD) nao foge a regra, embora, eu concorde em parte com o ponto que tem sido mais contestado (agora tambem no Ter Voz), quando CD refere que ocorrencias similares sao frutos da desastrosa politica de imigracao seguida na ultima decada e meia, ou seja, umas largas dezenas de jovens de origem africana terem provocado graves disturbios na linha de Sintra e realmente consequencia nao de uma politica desastrosa, mas, mais ainda, de uma gritante ausencia de politicas de imigracao, fundadas no acolhimento socialmente estavel e sustentado (ou seja com um olhar tambem no futuro) de todos quantos escolhem o nosso pais para viver, neste contexto a negacao da entrada a certos individuos admito que seja um caminho a seguir, embora nunca como estrategia basilar de uma politica. Tal como, por exemplo, a fuga ao fisco e resultado de politicas fiscais injustas e por ai fora. Portanto, nao vejo qual a razao de no Bloguitica se atacar o CD no que a este ponto diz respeito. Onde o CD se espalha ao comprido e nas seguintes afirmacoes: pelo estudo comparado de diversos grupos etnicos e nacionais, nao so nos Estados Unidos mas um pouco por todo o mundo, prova cabalmente que o desempenho social desses grupos depende muito menos de situacoes que lhes sao exogenas e muito mais dos factores que lhes sao endogenos, ou seja, da cultura neles dominante, especialmente do respeito pelos valores etico-morais tradicionais, pela estabilidade familiar, pela nocao de que ao gozo dos benefecios e vantagens materiais de uma sociedade moderna e evoluida corresponde, necessaria e impreterivelmente, uma igual dose de trabalho, esforco e empenhamento. Isto e de um etnocentrismo manifesto e perigoso, porque esta claramente a inferiorizar a cultura a que os tais jovens pertencem. Ou seja, ficamos a saber que os comportamentos criminosos apresentados pelos jovens nao sao mais que resultado da sua cultura inferior. E onde chegamos com isto? Exterminam-se os pretos porque tem uma cultura 'inferior'? Nao digo, obviamente, como parece que faz crer o discurso politicamente correcto, que 'eles sao como nos', porque nao o sao, tem uma cultura naturalmente diferente da nossa. As suas origens sao diferentes, bem como a forma como sao educados. A diferenca faz parte da vida e enriquece-a.
Espero que o Bloguitica nao apoie este actual estado de coisas, porque o que esta a originar sao mas condicoes de vida a todos os niveis, seja a que comunidades nos referirmos, e claro as comunidades mais numerosas tem problemas mais urgentes e visiveis. As picardias entre o politicamente correcto e o politicamente incorrecto nao trazem, como se ve, grande substancia ao debate.
(Pede-se desculpa pela falta de acentos.)

quarta-feira, novembro 05, 2003

A simples esquematisacao cinematografica (revista e abreviada).

Para o caso de quem faz criticas de cinema se perder um pouco e desatar a dizer mal do Matrix, como ja disseram do Senhor dos Aneis apelidando-o de 'feira de carroseis', ou coisa que o valha, eu proponho-me ajudar.

Existem tres classes de filmes:
1) Existem os filmes de qualidade, sujeitos a peneira analitica comum.
2) Existem os filmes sem qualidade, sujeitos a peneira analitica comum.
e depois existem,

3) A Guerra das Estrelas, 'The Matrix', e O Senhor dos Aneis.

Faz sentido?
Comunicado de Imprensa da Comissão Directiva do (...)
Lisboa, 4 de Março de 2003

Contra a agressão dos Estados Unidos ao Iraque

O (...) recusa qualquer intervenção portuguesa, seja a que nível for, na nova guerra patrocinada pelos Estados Unidos contra o Iraque.

Esta nova agressão ao Iraque é mais um exemplo da política externa norte-americana tendente a controlar as reservas petrolíferas no Golfo Pérsico e marca, também, um passo mais na convergência entre os americanos e os regimes despóticos muculmanos da Arábia Saudita e do Kuwait para se apoderarem dos recursos naturais do único país laico que existe na zona.

O (...) que repudia vivamente esta mais que anunciada agressão americana ao Iraque, porque considera que os interesses de Portugal e da Europa não coincidem com os dos Estados Unidos, entende não haver razão para o posicionamento do governo português ao lado dos agressores americanos e, por conseguinte, para qualquer envolvimento português no conflito.

Consideramos, igualmente, que o primeiro-ministro Durão Barroso se tem comportado nesta matéria como um lacaio de George W. Bush, pondo-se ao nível de um qualquer ridículo monarca do Golfo, ao mesmo tempo que coloca em perigo vidas e interesses portugueses sem motivo algum.




-Entao agora transcreves comunicados do Bloco de Esquerda?
-Nao.
-Ai nao? Entao de quem mais poderia ser semelhante comunicado???
-De um partido de extrema-direita. Este partido.
-Queres tu dizer que os extremos por vezes se tocam?
-Nao sei.

terça-feira, novembro 04, 2003

Engate

Existe uma nova tecnica de engate com cada vez mais adeptos. Esta tecnica nada tem a ver com as tradicionais abordagens, e os seus adeptos são geralmente individuos com um nivel de inteligencia consideravel. Ao contrario das tecnicas até aqui conhecidas, esta não tem efeitos a curto mas sim a medio prazo, e tem como principal arma a sensibilidade. Vou indicar atraves de alguns passos o seu desenvolvimento. Jovem, se queres ter sucesso lê com atenção:
- Passo 1: Precisas de te infiltrar num grupo de amigos onde existam no minimo 2 mulheres.
- Passo 2: Nas conversas de grupo é fundamental ter opiniões que transmitam a ideia de seres um gajo muito sensivel, por exemplo ser defensor dos animais, ser contra as touradas, não gostar de futebol, e dizeres que gostas muito de ler livros do Paulo Coelho em tardes de chuva.
- Passo 3: Por esta altura ja deves estar a ser gozado por todos os homens daquele grupo.... perfeito! Isso vai dar a ideia que és um incompreendido (coitadinho), e que os outros homens são todos uns "parvos" e uns "insensiveis".
- Passo 4: Fica bem dizeres que frequentas um psicologo duas vezes por semana porque nunca recuperaste do trauma que sofreste quando o teu gato foi atropelado.
- Passo 5: Por esta altura já elas devem falar de ti nas conversas de casa-de-banho (passo a transcrever a conversa) : - Ja viste, ele é tão querido! Não tem nada a ver com os homens que conheço. E é tão sensivel, coitado ainda nem recuperou da morte do gato...
- Passo 6: Já deves ter reparado que tiveste sucesso, escolhe agora aquela que mais te agrada e convida-a para sair. Mas atenção tens de escolher um local que seja bem alternativo, por exemplo uma casa de chá no Bairro Alto ou o Chapitô.
- Passo 7: Já está! Agora é só "facturares". A vantagem desta tecnica é que a tua imagem junto das restantes mulheres do grupo permaneceu inalteravel, o que significa que passado um tempo podes sempre "facturar" com qualquer uma delas.

Twin Peaks

A Sic Radical vai hoje transmitir as 21:00 a serie "Twin Peaks" de David Lynch. Aqueles, como eu, que eram demasiado jovens quando a serie foi pela primeira vez transmitida têm agora boa oportunidade de a ver.

domingo, novembro 02, 2003

Função pública

Não percebo as pessoas que dizem mal dos funcionários públicos. Se calhar é por ser filho de dois deles. Mas com toda a seriedade eu também ando por aí, e não é totalmente verdade tudo o que se diz. Não sei se sabem mas o salário minimo da função pública é mais baixo do que o nacional, o subsídio de almoço ronda os 400 paus (tentem almoçar com isso e depois perguntem-se se vos apetece atender pessoas com um sorriso nos lábios), é dos empregos mais chatos que pode existir... e isto são factos. Não é que eu não concorde com muitas das críticas dirigidas aos funcionário públicos, é só que são injustas. E porque é que eu digo isto? Lembrem-se da vossa vida e pensem no seguinte: vocês só são tratados mal pelos funcionários públicos? Ou será mais por todas as pessoas atrás de um balcão? É que, eu não sei se o problema é meu, mas eu vejo gente mal educada, desmotivada, antipática, sem formação e desinteressada atrás de praticamente todos os balcões, seja de repartições, lojas ou pastelarias. Será que o problema é só de uma classe ou será nacional? Lembrem-se bem, qual foi a última vez que foram a uma loja e não vos trataram como se vos estivessem a fazer um favor pessoal ao atender-vos?

Poesia

Desculpem lá não fazer posts muito bonitos cheios de poesia, mas o meu curso prepara-me para ser prático e ir direito ao assunto, sem rodeios. Eu também sou um bocado assim.
Isso não me impede de desejar os dias de inverno luminoso de Lisboa. Para além da chuva, no inverno há por vezes dias mágicos onde não se vê uma nuvem, o sol brilha no céu e está um frio deliciosamente gélido. É como uma antítese física, um dia magnifico de sol, e no entanto... um frio tão imenso que ao andarmos parece que atravessamos uma parede de gelo. Anseio por esses dias onde parece que o céu não tem limites por cima de ti, não há fim, não há fronteira, apenas um imenso pedaço de azul, azul puro e absoluto. É nesses dias que vemos a verdadeira cor do céu e podes ver que, neste mundo desesperant, alguma coisa parece perfeita. Tão perfeita que, só por existir, te faz interrogar se Deus existe. É nesses dias que sei que amo a minha cidade, por muitos defeitos que tenha. Porque nesse momento, é perfeita.

Nun' Alvares Pereira, Amália e Harry

Eu leio Harry Potter, posso ser criticado por isso, mas estava a lê-lo enquanto tu estavas a ver o Big Brother, por isso pensa duas vezes antes de falar... De qualquer forma, acho fora de qualquer qualificação (é para lá de inconcebível) a utilização do Panteão nacional para a monumental palhaçada de mau gosto que foi o lançamento do livro. Aliás só provou que nenhum dos organizadores tinham sequer pegado no livro, senão teria reparado que aqueles senhores, animadores, palhaços, sejam o que forem, não tinham nada a ver com a história... nada... a sério, leiam e comprovem. Porque é que vendemos o nosso património assim? Se o IPPAR não respeita o Panteão, doem-no a alguém que o respeite. Porque é que tranformamos tudo numa palhaçada? Temos uma vontade tão gande assim de ser animados?

Cartazes

Passei no outro dia pelo Marquês, que sorrindo de um cartaz me sugeria que utilizasse os transportes públicos... respondi-lhe que fosse falar com os senhores que, por baixo da rotunda com o seu nome, fazem um túnel que permite que o carro particular penetre ainda mais e melhor na malha urbana... "Desce daí ó marquês, à incompetentes na Camara outra vez".
P.S.: O Marquês também me disse que lá por o terem posto ao lado de um leão não quer dizer que ele seja sportinguista, por isso quando os lagartos ganharem outro campeonato (mais uns 18 aninhos), vão comemorar para outro lado, ok?

Catedral? Onde é que estão os sinos?

Eu sou benfiquista. Tendo dito isto tenho de desabafar: Um estádio não é uma catedral. Eu sei que muita gente vê o futebol como uma religião com deuses, santos, misas, demónios, pecados e milagres, padres, sacristões e papas, mas a verdade é que não é. O futebol é um desporto entre muitos. Um estádio é um recinto onde se praticam actividades desportivas por acaso (ou talvez não) ao domingo. Será que sou herege por dizer isto? Não porque o futebol não é uma religião (nunca é por demais repeti-lo). Um clube não é uma seita, seja ela vermelha, verde, azul (nos seus vários tons), roxa, laranja ou rosa. Eu percebo entusiasmo, arrebatamento e até paixão, mas não percebo fanatismo. O meu deus não é uma águia. Não vou à missa na vossa "catedral" nem ouço o chamamento dos vossos sinos. Digo mais, uma sociedade que chama a monstros de betão (ou azulejo de casa de banho) onde se joga à bola "catedral, é uma sociedade onde os valores... estão doentes, para dizer pouco.

Sejamos mais claros ainda

Nao devemos esquecer que certos ritos de passagem sao fundamentais para o desenvolvimento humano pelo que acrescento que devemos sim escolhe-los com cuidado. Por algum motivo se encontram tradicoes em toda a parte do Mundo que visam marcar certos momentos no tempo, hoje e sempre tal acontecera. Obvio que ate certo ponto podemos dizer que estamos como que sujeitos a certos desses ritos que nos escapam ao controle, seja por forca da idade, sociedade, religiao etc, tal e um facto consumado. Ora bem, resta-nos entao a partir do momento em que somos capazes de pensar por nos proprios (vulgo maior e vaccinado) tomar as nossas proprias decisoes e embarcar nessa viagem alucinante que e a vida. Como diz o meu colega ali em baixo, a vida e so uma, quando desperdicada para sempre perdida, pelo que devemos retirar desses momentos aquelas experiencias formadoras de caracter e continuar em frente, devotar-mos excessiva carga psiquica torna-se entao sim contraproducente.Eu tenho orgulho da minha experiencia de vida ate agora e espero continuar o bom trabalho, momentos bons, sim, experiencias menos boas, tambem.
Mas o mais importante e continuar porque enquanto houver forca ha sempre um dia para vir, situacoes para viver, um Mundo para conhecer (seja qual for o teu mundo) e descobrir, parece cliche mas acredito que seja verdade.


O homem que desodorisava as sanitas.

Por ocasiao da celebracao do nosso primeiro mes de vida, no proximo dia 4, lembrei-me de contactar um famoso publicitario e estratega do marketing conhecido por ter ajudado a que as vendas de um desodorisante de sanitas subissem em flecha somente por ter tido a excelente ideia de colocar o anuncio ao referido produto nos intervalos do 'Big Brother'. Dizia-me ele: 'os pacovios nao fazem ideia que na verdade estao a abdicar da sua privacidade, e mesmo dignidade, para que o volume de negocios de uma empresa dedicada aos desodorisantes de sanita aumente de ano para ano!!!'.
Considerei mais tarde que tinha sido este o ponto alto do discurso do homem porque a partir dai, foi sempre a descer. Abordei-o no sentido de ele me iluminar com algumas estrategias tendo como fim publicitar este nosso vosso blog. Falou-me primeiro em comecar a citar com frequencia o abrupto -o que so me ficava bem- para que no referido blog, que e bastante frequentado, nos surgisse uma referencia no final da pagina. Achei um golpe oportunista e nao anui. Depois sugeriu que criase uma polemica qualquer com o Pipi do tipo: 'sera Pipi um mero punheteiro ou um verdadeiro fodilhao?' e claro aconselhava umas tantas afirmacoes de mau gosto como: 'com tanta diarreia pornografica nao sera Pipi um reles punheteiro que derivado de tanto fantasiar ao mesmo tempo que as batia bem batidas se tornou um mestre da fantasia porno?' Recusei logo a ideia porque era bastante rasteira e contraria o espirito do nosso vosso blog, alem de que gosto de ler o Pipi. Recomendou outra estrategia que declinei com certa furia velada: 'que tal fazeres uma analise aos blogs femininos e dizeres que sao na grande maioria superficiais, insuficientes, que elas nao conseguem escrever dez frases com o minimo interesse e so escrevem sobre estados de alma vegetativos do tipo: 'pa, hoje ta frio pa, nao me apetece fazer nada vou vestir uma meias de algodao e meter-me na cama a ler Nicholas Sparks, dah!' quando emendou e disse Margarida Rebelo Pinto, explodi, e pedi-lhe que desenvolvesse outra coisa que aquilo nao me interessava minimamente e poderia tornar-se contraproducente. A seguinte sugestao apelidei-a logo de demasiado prostrada: 'podes enviar uns mails a varios blogs e dizer: 'ola, nos existimos e somos muito giros, nao nos querem fazer uma visitinha?' aqui foi o diminutivo que me lixou, elevei a voz e informei-o prontamente que no quarta ferida nao se mendiga caridade e somos todos gajos com os niveis de auto-estima no sitio! Comigo ja um tanto aborrecido referiu ainda podermos colocar umas 'fotos de miudas boas todas descascadas para animar o pessoal'. Que nao. Como regra isso nunca iria acontecer. Finalmente aconselhou uns tantos plagios de 'autores geniais' e modificar aquilo o suficiente para o podermos apresentar como nosso. Naturalmente nem o quis continuar a ouvir, informei-o que enquanto conseguissemos pensar pelas nossas proprias cabecas nao necessitavamos da cabeca dos outros por muito brilhantes que fossem. O homem deu-se por vencido e disse, nao sem um certo gozo malevolo, que eu era um caso perdido. Voltou-me as costas e eu voltei-lhe as costas a ele. Ele que continue o seu heroico trabalho de tentar vender a ideia que afastar o cheiro da merda e fundamental mas que de caminho, aproveite, compre um e coloque-o a volta da sua propria cabeca.

Sejamos claros:

rituais de passagem e das piores idiotices que existem, nao seguindo nenhuma ordem especifica, vamos la:

-no topo da sequencia, todas aquelas coisas que se fazem em crianca na igreja para que as portas do ceu se abram; e afinal o 'ceu' nao existe.

-a celebracao familiar porque o menino fez pela primeira vez a barba; e afinal as borbulhas por ela provocada sao o que afasta as meninas.

-as praxes humilhantes; e a seguir sinto-me mais desintegrado que nunca.

-a fotografia com a menina vestida com a farda academica porque se 'formou'; mas depois nao encontra emprego.

-ter toda a gente gostado de Nirvana aos 15 anos porque 'fazia parte' (agora nao sei quem sera); e mais tarde ser 'beto' e conformista.

-fumar ganzas porque ja e altura de sermos independentes; quando passado uns tempos ficamos da droga dependentes.

-a celebracao do casamento porque agora sim somos responsaveis; e o divorcio uns anos apos com os filhos a chamarem-nos irresponsaveis.

-ir a Punta Cana e voltar com ares de quem e muito viajado; e nao conhecer Roma, Jerusalem e Nova Iorque.

-aparecer na TV 1 minuto que seja, pelo motivo mais disparatado do mundo e julgar-se catapultado para o estrelato; mas quando as luzes se apagam so fica a indignidade e a vergonha.

- e sim, ate o festejo infatigavel ano apos ano do aniversario; ate que estamos tao perto da morte que nao apetece festejar nada.

A vida nao pode ser pre-definida. Entre a vida e a morte tudo e uma grande passagem. As distracoes fazem perder tempo, depositar excessiva carga simbolica em certos momentos pode ser contraproducente e originar inuteis zangas com a vida.
A vida e demasiado preciosa para que nos zanguemos com ela, porque so temos uma. Unica. Uma vez desperdicada. Para sempre perdida.

Qualquer dia escrevo sobre

as 'tribos urbanas', quem e mais jovem esta mais proximo deste fenomeno e tem outra sensibilidade para as identificar porque surgem nas escolas, muito motivadas por gostos musicais sendo espacos de identificacao/diferenciacao. Mas sobre os 'freaks' , com cada vez mais simpatizantes, leiam isto que esta imperdivel e alem do mais e um retrato bem fidedigno...

Diarios

de JPC um sitio digno de uma visita.

sábado, novembro 01, 2003

Dogville: Um filme desassombrado sobre pessoas repugnantes.

Dogville e um filme com um argumento polemico. Mas tenho a certeza absoluta que se a ultima parte do filme fosse diferente, com um final diferente, as criticas negativas seriam menos contundentes e seria um filme com muito menos polemica a sua volta. Explico: se Grace quando se encontra com o pai tivesse entrado no carro, se mantivesse firmes as suas 'conviccoes' e simplesmente perdoado em vez de ter pegado na metralhadora e morto toda aquela pequena populacao que a fez sofrer as analises feitas ao filme seriam de certo bem diferentes. No filme encontramos uma pequena comunidade fundada na mentira que sob a aparencia do trabalho, da humildade, do espirito de uniao, do despojamento, ou seja de todo um conjunto de bons sentimentos esconde um egoismo e crueldade profundos. Grace, nao sendo melhor que todos eles vai representar a convergencia de uma falsa harmonia, vai-se tornar o espelho de toda aquela comunidade, que vendo-se reflectida principia a maltrata-la na medida em que ali ninguem gosta de ninguem e o amor-proprio falha em todos, apoderam-se da posicao fragil de Grace e da sua miseravel predisposicao para perpetuar a mentira em que vivem e transforma-se num objecto em que todos aliviam tensoes, exemplo bem expresso nas sucessivas violacoes a que a bela Nicole se sujeita cobardemente. Desta forma discordo de Ivan quando considera ser Grace 'infinitamente boa' porque parece-me que ela representa o cume de toda aquela falsidade. Discordo tambem quando diz que o filme nao admite que 'aquelas maldades estejam presentes, de maior ou menor forma, em todas as pessoas'; parece-me que o filme admite aquele tipo de maldade, que julgo muito especifica e a que nao e alheio o meio embora este (como querem alguns) nao justifique tudo, mas naturalmente rejeita-o. E a mortandade provocada por Grace no final, no fundo o ponto mais contestado pelas analises motivadas por uma leitura moralista do filme (e talvez tambem da vida) nao e senao dizer que aquele tipo de pessoas nao tem emenda, sao inuteis, e em vez de se continuarem a arrastar, contaminando a humanidade e desprezando-a mais vale desaparecerem e Dogville desapareceu. Obviamente trata-se de imagens fortes, talvez em geral excessivas e declaradamente provocatorias para os mais moralistas... mas nao podemos esquecer que falamos de arte. E a arte tambem e excesso. Mas se retirarmos como conclusoes o que a mim me parece serem as mais acertadas, isto e, um alerta para que nao se seja indulgente com a falsidade, com a superioridade sobranceira dos bons sentimentos que escondem egos por um fio, em ultima instancia com a futilidade, o filme torna-se mais humano, porque apela para uma maior humanidade. Pouco me importa se o filme e um retrato dos E.U., a obssessao anti-americana ou pro-americana parece-me esteril. O que eu sei e que aquele tipo de pessoas correspondem a certas existencias bem reais e que se encontram por todo o lado, seja geografico, seja ideologico. Quanto aos 'profissionais do anti-americanismo' esquerdistas e outros que tais ja os vi elogiar o filme... Ser fanatico da nisto, entra-se em contradicao.