quinta-feira, fevereiro 26, 2004

Polis

Li na Periferica, e antes de avançar com o post propriamente dito deixem-me falar um pouco acerca desta revista, que confesso, não conhecia mas que atraves do site (ao qual podem aceder pelo link em cima) fiquei a conhecer, e mais importante atraves da ficha tecnica (e a acreditar que o que la esta escrito é verdade) fiquei a saber que é propriedade do Grupo Desportivo e Cultural de Vilarelho, e têm a sede em Vila Pouca de Aguiar - ora aqui esta um exemplo a seguir, como forma de descentralizar a cultura e tambem porque não dar emprego as centenas de licenciados em Comunicação que estão no desemprego, fazendo com que fixassem residencia em zonas com fraca densidade populacional, dinamizando essas zonas a nivel cultural - li então nesse site, (que funciona tambem como blogue) um post que dava conta do extraordinario facto do relogio Polis de Vila Real estar parado. Ora ha ja algum tempo que tinha vontade de escrever aqui acerca do desenvolvimento, ou melhor da falta de desenvolvimento da Costa da Caparica, vila que conheço bem pois passo lá desde que nasci os meses de verão. Eu não sei se o relogio Polis da Caparica está parado, mas se não está avança muito devagarinho, pois ha ja varios anos que leio que as obras estão prestes a começar e esta a chegar mais um verão e pelos vistos nada vai mudar. Ora eu vou falar exactamente acerca do programa Polis da Caparica, que na minha opinião não era necessario para se alterar pequenas coisas que significariam um grande desenvolvimento daquela zona, pois julgo ser unanime a opinião de que é urgente medidas que desenvolvam aquela zona que é cheia de potencial. Não era preciso na minha opinião, e como ja referi, esperar pelo programa Polis para alguma coisa ser feita em relação aquela estrada autenticamente de terceiro mundo que serve de ligação entre o centro da vila ate á praia do rei, que nos meses de verão fica completamente entupida. Não era preciso esperar pelo Polis para se fazer alguma coisa em relação ao bairro do campo da bola, que segundo sei é composto por casas na sua maioria clandestinas, e construir não grandes hoteis, mas sim zonas de lazer e espaços turisticos interessantes. Quanto aos parques de campismo, porque não deixa-los la ficar mas juntando todos num so mega-parque que funcionaria tambem para os muitos turistas que visitam o nosso pais mas que não têm posses financeiras para ficar em hoteis. Pelos vistos o caminho a seguir é cruzar os braços e esperar pelo inicio do Polis...por mim tudo bem, so é pena que continuaremos a ter uma extensão de areal de fazer inveja a muitos paises mas completamente sub-aproveitada.